Conselho escolar afasta professora por questionar livros trans em bibliotecas


A professora Carolyn Burjoski foi afastada por se posicionar contra os livros trans nas bibliotecas das escolas.
A professora Carolyn Burjoski foi afastada por se posicionar contra os livros trans nas bibliotecas das escolas.

Uma professora de Ontário, nos EUA, foi afastada após ser acusada de usar linguagem “transfóbica” para expressar preocupação, durante uma reunião do conselho escolar, sobre a presença de livros que celebram a transição médica de gênero nas bibliotecas escolares.

A professora, Carolyn Burjoski, afirma que está sendo “intimidada, caluniada e abusada” por argumentar que alguns livros nas bibliotecas eram impróprios para crianças.

O presidente do conselho escolar do distrito de Waterloo, Scott Piatkowski, interrompeu a apresentação de Burjoski depois que ela disse que as bibliotecas escolares têm livros que fazem a transição médica parecer “simples” e “legal” disponíveis para alunos do jardim de infância até a sexta série, informou o The National Post.

O conselho, que supervisiona mais de 100 escolas na região, votou 5-4 para apoiar a decisão do presidente.

Em um vídeo postado no Twitter, Burjoski disse que foi informada na manhã seguinte pelos recursos humanos que ela foi “imediatamente afastada, devendo permanecer em casa, aguardando uma investigação formal e proibida de entrar em contato com meus colegas e alunos”.

“Isso foi particularmente perturbador para mim porque eu amo meus alunos e não os vejo desde dezembro”, disse ela. “Quando meus alunos voltaram entusiasmados para a escola na terça-feira – o primeiro dia de aprendizado em sala de aula após mais um bloqueio – o professor não estava lá e eles não sabiam por quê. Fui silenciada e punida.”

Durante sua apresentação, a professora começou a ler o livro Rick, de Alex Gina, no qual o protagonista descobre que é assexual.

“Enquanto lia este livro, eu estava pensando: ‘Talvez Rick ainda não tenha sentimentos sexuais porque ele é uma criança’”, disse ela na reunião, segundo a CTV News . “Me preocupa que isso deixe os garotos se perguntando se há algo de errado com eles se não estiverem pensando em garotas nuas o tempo todo. Que mensagem isso passa para as meninas da 3ª ou 4ª série? Eles são crianças. Deixe-os crescer em seu próprio tempo e pare de pressioná-los a serem sexuais tão cedo.”

A professora afirma que ela “não é uma pessoa transfóbica”.

“É uma loucura que só porque você faz uma pergunta, a primeira coisa que as pessoas fazem é te chamar assim”, disse ela ao The National Post.

Em seu vídeo, Burjoski disse que “os membros do conselho foram ao rádio, à televisão e às mídias sociais para deturpar grosseiramente minhas observações”.

“Sinto-me intimidada, caluniada e abusada”, disse ela. “O conselho escolar removeu o vídeo da reunião de seu canal no YouTube, para que as pessoas não possam ouvir o que eu realmente disse.”

“A maior parte do vídeo sou eu lendo trechos de dois livros disponíveis para qualquer criança que saiba ler”, continuou ela. “Meus poucos comentários expressaram preocupação com conteúdo sexual impróprio para a idade. Eu não questionei e não questiono os direitos das pessoas trans existirem de forma alguma. Eu apoio totalmente os direitos humanos das pessoas trans”.

Ela argumenta que “a cultura do cancelamento precisa parar”.

“Precisamos recuperar nossa capacidade de ouvir uns aos outros e falar uns com os outros com a mente aberta. O diálogo respeitoso é o cerne da democracia.

Piatkowski foi citado dizendo que era “lamentável que fosse necessário, mas era necessário”.

“Estou ouvindo de presidentes de conselhos escolares e outros conselhos que eles também não permitiriam isso. Estou ouvindo de presidentes anteriores deste conselho.”

O caso de Burjoski ocorre quando pais nos Estados Unidos levantam preocupações sobre o conteúdo ao qual seus filhos estão sendo expostos em seus distritos escolares.

Em novembro passado, as Escolas Públicas do Condado de Fairfax, na Virgínia, o maior distrito escolar dos EUA, disseram que estavam restabelecendo dois livros – Lawn Boy, de Jonathan Evison, e Gender Queer: A Memoir , de Maia Kobabe – em suas bibliotecas do ensino médio após uma revisão sobre as preocupações levantadas por uma mãe de que eles contêm “pornografia” com descrições gráficas de atos sexuais entre homens e meninos.

Em uma reunião do conselho escolar em setembro, Stacy Langton, mãe de um aluno da Fairfax High School, disse que “ambos os livros incluem pedofilia e sexo entre homens e meninos”.

“Ambos os livros descrevem atos diferentes. Um livro descreve um menino da quarta série fazendo sexo oral em um homem adulto”, disse ela. “O outro livro tem ilustrações detalhadas de um homem fazendo sexo com um garoto… As ilustrações incluem felação, brinquedos sexuais, masturbação e nudez violenta.”

Em agosto passado, a mais alta corte da Virgínia rejeitou um pedido do Conselho Escolar do Condado de Loudoun para manter a suspensão de um professor cristão, Byron Tanner Cross, que foi punido por criticar uma política proposta que exige que os professores usem os nomes e pronomes preferidos dos alunos trans. Um tribunal inferior havia derrubado a suspensão do professor pelo distrito escolar.

“Vendo o precedente federal como persuasivo, é lei estabelecida que o governo não pode tomar ações trabalhistas adversas contra seus funcionários em represália por exercerem seu direito de falar sobre assuntos de interesse público”, dizia a ordem em parte.

Em 2018, um professor cristão de ensino médio, em Indiana, nos EUA, foi forçado a se demitir porque se recusou a seguir uma nova política da escola que exige que os alunos transexuais sejam chamados por seu nome preferido ou social.

John Kluge, da Brownsburg High School, um líder de orquestra que trabalhava na escola há quatro anos, disse acreditar que chamar o aluno transgênero pelo nome preferido causaria danos à criança a longo prazo.

“Eu realmente me preocupo com as crianças e não quero fazer nenhum mal a elas”, disse ele  ao ToddStarnes.com, da Fox Todd Starnes.

Em 2019, o professor de francês Peter Vlaming processou o distrito escolar da Virgínia que o demitiu em dezembro de 2018 por se recusar a usar o pronome masculino preferido de uma estudante transgênero para se dirigir a ela.

De acordo com a emissora WTVR, o conselho escolar de West Point decidiu, por unanimidade, demitir Vlaming, devido à postura do professor de não concordar em chamar uma aluna da 9ª série que fez a transição de gênero, pelo pronome masculino que ela escolheu. Vlaming se recusou a usar o pronome porque acreditava que estaria mentindo, por isso disse à escola que usaria o nome completo da aluna em vez do pronome masculino que ela havia escolhido.

Folha Gospel com informações de The Christian Post






Source link

Similar Articles

Comments

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Instagram

Most Popular